Sobre meu cabelo + resenha da minha máquina

7.12.15

O desejo de raspar o cabelo foi algo inesperado para mim, mas estou feliz por ter dado esse passo. Tenho me sentido mais bonita, renovada, mais dinâmica. Pude perceber que o cabelo comprido havia se tornado um peso na minha vida e está sendo bom não ter esse peso por enquanto.
O plano inicial era tirar toda a parte tingida para "resetar" meu cabelo, começar tudo do zero com fios naturais, sadios e ir curtindo a "carequisse" enquanto ele crescia, pois eu sabia que cresceria rápido. Como percebem, acabei tomando gosto e resolvi manter o visual. Já raspei o cabelo umas 6 vezes no mínimo e fiz eu mesma, em casa.
Foi bom ter comprado uma máquina, por 3 motivos
1: eu amo fazer as coisas no meu próprio cabelo, 
2: sai mais em conta para quem tem esses tipos de corte, pois como é super curto qualquer crescidinha já começa a incomodar e você se vê obrigada a pagar um corte novo todo mês. Eu corto mais ou menos a cada 3 semanas.
3: é muito divertido!

Mas confesso que minha principal motivação para fazer isso em casa ainda é o preconceito das pessoas. Deixa eu explicar.
Desde que cortei a primeira vez, tenho lidado com todo tipo de reação das pessoas. Na rua também é bem chato às vezes. Quando estou numa roupa mais arrumadinha e maquiada, a reação das pessoas é mais tranquila. Mas quando estou vestida para o trabalho, por exemplo, de calça, tênis e camiseta, sem maquiagem, sou tratada de uma forma totalmente estranha. Pode ser coisa de cidade pequena também.

O primeiro e segundo corte foram feitos por uma cabeleireira amiga, que veio fazer o serviço na minha casa. No outro post onde falo sobre meu cabelo eu contei isso, mas não contei que quis fazer em casa pois sabia que se fizesse num salão seria bem chato ouvir os outros tentando fazer eu desistir de cortar e falando que ficaria "muito masculino". E eu estava certa pois ouvi essas coisas depois que tudo estava feito.

Já passei por situações bem chatas em salão por causa de serviço porco/irresponsável e ter que lidar com esses comentários já era demais pra mim. Sei que não seria fácil encontrar uma cabeleireira na minha cidade que entendesse meu gosto e respeitasse minha decisão de manter o buzzcut, então me poupei a fadiga e comprei logo uma máquina.

Abracei meu lado andrógino, me aceitei, até o momento estou muito satisfeita assim. Talvez daqui 1 semana eu decida deixar crescer, talvez eu mantenha o visual por muitos anos. Agora eu não sei, estou focada em aproveitar esse momento.

A máquina que comprei é da Philips modelo HC3410. Ela vem com 1 só pente, e a altura do corte é regulada por esse mecanismo que fica bem na frente, acima do botão power. Comprei ela numa loja local, a que  estava mais em conta. Custou 114 reais com  os impostos. 

Na caixa dela vem tudo em inglês, mas o mais importante de saber sobre ela é que é bivolt automático, o aço é sem estanho, ela promete cortar 2x mais rápido do que máquinas comuns e tem até 5 anos de garantia se você cadastrar o seu produto no site. Inclusive, me lembrei que preciso encontrar a nota fiscal do meu e cadastrar logo.

É possível remover a lâmina apertando um botão que fica na parte de trás, e até deixei uns cabelinhos ali pra vocês verem que sempre vai entrar alguma coisa aí dentro e é bom limpar de vez em quando. A caixa acompanha uma escovinha para limpar a lâmina, mas perdi a minha.
 Confesso que fico um pouco preocupada com esse pente nivelador. Ele parece ser de um plástico um pouco frágil e uso com todo cuidado para evitar quebrar, já que não vem um pente reserva. Não cheguei a pesquisar se na garantia é possível conseguir outro ou se a Philips vende esse pente separado. Assim que o fizer, atualizarei esse post.

Para mim esse é o único ponto fraco dessa máquina. De resto ela atende minhas necessidades com perfeição, inclusive já cortei o cabelo do meu bae 2 vezes com ela hehe.

Por hoje é isso. Bjocas e até a próxima.

VEJA TAMBÉM:

PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

0 respostas

Google+ Followers