Meu dilema com os blogs femininos

21.7.16

Olha, não sei como começar esse texto. Mas os blogs de beleza me causam sentimentos mistos.
Ao mesmo tempo que gosto de ver blogs e canais femininos, para me inspirar ou para passar o tempo, algumas coisas nesse meio me deixam um pouco chateada.

A primeira coisa que preciso mencionar é, sem dúvida, a falta de diversidade. Tanto falta de diversidade de conteúdo, quanto a falta de diversidade de gente. Quem mais aparece, quem mais tem audiência são sempre garotas muito parecidas. Acho que essa parte eu nem preciso explicar tanto, né?
Basicamente, na Internet quem angaria mais seguidores são garotas que estão mais próximas do padrão das outras mídias.
É bem como a Jana Sabrina falou em um vídeo (e que eu só entendi de verdade muito tempo depois): blogueira pobre, gorda, negra não faz muito sucesso no Brasil. Tanto pelo fato de as marcas não as apoiarem, quanto pelo público que gosta de blogs não apoiar.
O que eu sinto é que blog feminino está ficando igual revista feminina e o Youtube está ficando igual a TV.

Blogs tendem a perpetuar padrões de beleza, de comportamento, do mesmo modo que as outras mídias.
Nós reclamamos TANTO de revistas, TV, filmes, indústria da moda e tudo o mais estarem nos bombardeando diariamente essas mensagens. Mas quando temos a chance de ter nosso próprio espaço, entregamos às nossas leitoras os mesmos padrões de beleza, os mesmos guias heteronormativos de comportamento, as mesmas armadilhas sociais de gênero, as mesmas tendências, o mesmo jeito de se vestir, as mesmas regrinhas.
O que eu tenho visto são jovens que têm blogs tentando se encaixar em um padrão e outras jovens se espelhando nelas. Isso quando as blogueiras não são elas próprias o padrão.

Outra coisa que tem me irritado muito é o complexo de estrela de algumas blogueiras. Em primeiro lugar, não me sinto bem com o termo "seguidores". A TI inventa essas coisas e a gente vai usando, eles se fundem à nossa linguagem e a gente cria toda uma cultura em torno disso.
Eu não me sinto seguidora de ninguém e nem digo que tenho seguidores. Pra mim quem segue um líder é manada e eu tenho minha própria cabeça e sei que vocês também têm.
Certas pessoas agem como se fosse de fato seguidoras de determinadas "digital influencers" (essa é outra palavrinha bosta) e copiam tudo: a roupa, o cabelo, a maquiagem, os aplicativos pra editar as fotos e se brincar até o layout do blog.

E toda essa "necessidade" de líder gera nessas blogueiras a certeza de que são pessoas muito mais especiais do que seus seguidores.
Não sei vocês, mas eu não consigo MESMO acompanhar gente que age como se suas "dicas" fossem a coisa mais preciosa do mundo.
Eu não tenho seguidoras, eu tenho amigas que conheci através do blog, com as quais eu troco ideias, aprendo e ensino, compartilho o que considero bom. Pessoas que gosto de ter contato nas minhas redes sociais, que têm a ver comigo.

Outra coisa, ainda nesse assunto de estrelismo, é ver como tem gente que não é bosta nenhuma na Internet, tratando outras blogueiras como se não fossem nada. A arrogância é tão grande quanto a falta de talento.

Eu quero muito conhecer mais blogs diferentes, feitos por gente diferente e essa parte é quase um apelo. Você é uma garota diferente? É gorda, negra, alternativa, pobre, lésbica? Você conhece outros blogs diferentes? Me passa os links pelo amor de Deus!
Pois por mais que a gente procure, parece que o padrãozinho nos persegue. 

Me sinto hipócrita escrevendo isso? Com certeza! Por quê é tão difícil a gente se desfazer desses padrões, é difícil falar de outros assuntos. E quando a gente tá afim de falar, a gente se sente estranha fazendo aquilo.
Por mais que eu seja gorda, alternativa, bissexual, ainda não me senti bem falando do meu próprio universo.
Tenho a sensação de que criaram esse chamado "universo feminino" para nos fazer acreditar que todas as mulheres vivem exatamente o mesmo universo, mas somos tão distintas!
Eu queria um universo feminino em que todas nós pudéssemos nos sentir a vontade em falar dos nossos universos, nossas realidades. E não esse universo elitista, em que a gente precisa se montar toda antes de tirar uma foto ou aparecer numa câmera, ou fazer de conta que somos outras pessoas antes de escrever um post.
Mais que nos unir por maquiagem, moda e beleza, queria um universo de blogueiras empoderadas unidas pela empatia.
Essa sou eu agora mesmo. Sem câmera profissional, sem luz especial, sem escova no cabelo, sem sobrancelha preenchida ou contorno no nariz, de óculos (tenho 8 graus de miopia) e com olheiras.Se alguém me encontrar na rua ou no trabalho, tem muito mais chance de me ver assim.

E a ideia não é dizer que sou feia assim, mas que a gente tem que se sentir bem na nossa própria pele, independente da quantidade de produção do momento.
Ninguém tem que olhar blogueiras como se estivessem olhando para modelos em capas de revista e se sentir mal por não parecer daquele jeito.

Eu sou uma mulher diferente, não tenho como fugir disso. E quero muito que meu blog seja um espaço onde possa ser eu mesma e vocês serem vocês de verdade.
Vamos lá manas? Você topam?

PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

0 respostas

Google+ Followers